Kroton e Anhanguera esperam decisão do Cade sobre fusão

08/05/2014 - O diretor-presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, afirmou que o Cade pode decidir o caso nas próximas sessões, marcadas para os dias 14 e 28 deste mês Dayanne Sousa Kroton e Anhanguera anunciaram que concordam em ajustar relação de troca para incorporação de ações da Anhanguera pela Kroton São Paulo - As companhias de educação Kroton e Anhanguera acreditam que uma decisão do Tribunal do Conselho Administrativo e de Defesa Econômica (Cade) sobre a fusão pode ocorrer ainda em maio, informou, nesta quarta-feira, 7, o diretor-presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, em teleconferência com analistas e investidores sobre a mudança na relação de troca de ações entre as companhias. Galindo afirmou que o Cade pode decidir o caso nas próximas sessões, marcadas para os dias 14 e 28 deste mês. Ele lembrou que, depois da definição do órgão antitruste, as empresas terão quase um mês ou até um mês e meio para votar a fusão em Assembleias Gerais Extraordinárias. "Isso levaria a uma data no fim de junho como etapa final e fechamento da operação", concluiu. Kroton e Anhanguera anunciaram hoje que concordam em ajustar a relação de troca para incorporação de ações da Anhanguera pela Kroton, com a atribuição de 0,30970293 ação de Kroton para cada de Anhanguera, caso aprovada em assembleias gerais. No documento original, a previsão era de 1,36428904 ON da Kroton para cada ON de Anhanguera. Também era previsto que a composição da nova companhia seria aproximadamente 42,52% da Anhanguera e 57,48% da Kroton. No fato relevante divulgado hoje, essas participações são de 33,5% e 66,5%, respectivamente. Galindo afirmou que a negociação para mudança na relação de troca de ações entre as companhias estava ocorrendo há algumas semanas. Ele disse que as empresas decidiram comunicar o mercado "imediatamente" após a conclusão das conversas. Na avaliação de Galindo, a divulgação de uma alteração no acordo entre as duas companhias não prejudica a evolução do processo no Cade. "Acreditamos que a nova relação de troca não gera impacto na negociação com Cade, que já está avançada", comentou. Durante a teleconferência, Galindo e o diretor-presidente da Anhanguera, Roberto Valério, ainda afirmaram que está mantida a estrutura de gestão prevista anteriormente para a empresa fruto da fusão. Gabriel Rodrigues, da Anhanguera, ficará com a presidência do Conselho de Administração da nova companhia enquanto Rodrigo Galindo seguirá como o presidente da empresa após a fusão.
Fonte: Exame.com


Comentários da notícia