Os 15 países mais prontos para o futuro (e o Brasil em 69º)

07/05/2014 - Veja quais são os lugares que criaram as melhores condições para a economia digital florescer; o Brasil caiu 9 posições desde o ano passado João Pedro Caleiro Um passo à frente São Paulo - As novas tecnologias estão mudando a economia - e neste novo mundo, inovação e conhecimento serão cada vez mais importantes. Há 13 anos, o Fórum Econômico Mundial divulga o que os países tem feito para se preparar para um futuro digital. No caso do Brasil, não muito. Apesar de algumas melhoras pontuais, o país caiu 9 posições do ano passado para cá. O relatório leva em conta 54 indicadores em 4 categorias: ambiente (regulatório, político e de negócios), prontidão tecnológica (infraestrutura, preços e competências), usabilidade (por governos, indivíduos e empresas) e impactos (econômicos e sociais). 148 países foram analisados. Veja a seguir o top 15 mais o Brasil: 1. Finlândia A Finlândia continua na mesma posição do ano passado. O país tem a melhor infraestrutura de tecnologia e comunicações do mundo e mais de 90% da sua população usa a internet. Destaque: proteção de propriedade intelectual (11º no ranking) Deficiência: intensidade da competição local (86º no ranking) 2. Singapura Singapura continua na mesma posição do ano passado. O país tem o ambiente mais pró-negócios e pró-inovação e o melhor sistema de ensino de educação e matématica do mundo. Destaque: cobertura da rede mobile (1º no ranking) Deficiência: custo das tarifas de banda larga (85º no ranking) 3. Suécia A Suécia continua na mesma posição do ano passado. O país tem um dos melhores ambientes para negócios e uma economia "verdadeiramente baseada no conhecimento", segundo o WEF. Destaque: uso pela população (1º no ranking) Deficiência: nível de impostos (123º no ranking) 4. Holanda A Holanda continua na mesma posição do ano passado. Praticamente todos os habitantes tem acesso a um computador e a infraestrutura digital traz impactos claros - tanto econômicos quanto sociais. Destaque: índice de e-participação (1º no ranking) Deficiência: tarifas da rede mobile (106º no ranking) 5. Noruega A Noruega continua na mesma posição do ano passado e tem ambiente estável, acesso quase universal e "um governo ciente da importância das tecnologias de comunicação", diz o WEF. Destaque: competição em serviços de internet e telefone (1º no ranking) Deficiência: abrangência da rede mobile (88º no ranking) 6. Suíça A Suíça continua na mesma posição do ano passado. Sua infraestrutura tecnológica é boa (mas cara) e os serviços digitais do governo continuam limitados na comparação com países similares. Destaque: capacidade de inovação (1º no ranking) Deficiência: número de dias para abrir um negócio (86º no ranking) 7. Estados Unidos Os Estados Unidos subiram duas posições em relação ao ano passado devido a melhoras na infraestrutura e no acesso. Novas tecnologias são adotadas amplamente por indíviduos, empresas e pelo governo. Destaque: proporção de softwares piratas (1º no ranking) Deficiência: taxa de impostos sobre os lucros (106º no ranking) 8. Hong Kong Hong Kong subiu seis posições em relação ao ano passado graças a melhoras nas condições para inovação e empreendedorismo e uso mais intenso das novas tecnologias por governos e empresas. Destaque: disponibilidade de capital de risco (1º no ranking) Deficiência: tarifas de internet banda larga fixa (66º no ranking) 9. Reino Unido O Reino Unido caiu duas posições em relação ao ano passado. O país "reconheceu cedo a importância das tecnologia para apoiar sua inovação e competitividade", segundo o WEF. Destaque: uso da internet na relação entre negócios e consumidores (1º no ranking) Deficiência: tarifas mobile (131º no ranking) 10. Coreia do Sul A Coreia do Sul subiu uma posição desde o ano passado. Seu governo é 1º lugar em termos de serviços online e focou na capacidade tecnológica como estratégia de desenvolvimento econômico. Destaque: taxa de matrícula na educação terciária (1º no ranking) Deficiência: efetividade dos órgãos legislativos (119º no ranking) 11. Luxemburgo Luxemburgo subiu cinco posições em relação ao ano passado. O país tem a maior proporção do mundo da força de trabalho em empregos baseados no conhecimento. Destaque: legislação tecnológica (1º no ranking) Deficiência: taxa de matrícula na educação terciária (98º no ranking) 12. Alemanha A Alemanha subiu uma posição em relação ao ano passado. Seu sistema educacional desenvolve as habilidades necessárias para uma economia globalizada e guiada pelo conhecimento. Destaque: capacidade de inovação (3º lugar no ranking) Deficiência: número de procedimentos para abrir um negócio (107º no ranking) 13. Dinamarca A Dinamarca caiu cinco posições em relação ao ano passado, mas o uso das tecnologias de comunicação continua entre os mais intensos do mundo. Destaque: assinaturas de internet banda larga fixa (3º lugar no ranking) Deficiência: disponibilidade de capital de risco (95º no ranking) 14. Taiwan Taiwan caiu quatro posições em relação ao ano passado apesar da nota similar. As tecnologias de comunicação tem forte impacto econômico e social mas o país ainda precisa enfrentar fraquezas regulatórias e políticas. Destaque: abrangência da rede mobile (1º no ranking) Deficiência: número de procedimentos para fazer valer um contrato (131º no ranking) 15. Israel Israel continua na mesma posição do ano passado. O país se destaca em criação de patentes relacionadas a tecnologia e um setor de comércio eletrônico bem desenvolvido. Destaque: capacidade de inovação (4º lugar no ranking) Deficiência: número de dias para fazer valer um contrato (125º no ranking) 69. Brasil O Brasil caiu 9 posições desde o ano passado - apesar da nota ter crescido, outros países melhoraram mais. O país tem alto nível de uso e um comércio eletrônico bem desenvolvido, mas peca pelo ambiente de negócios e inovação e pela baixa qualidade da educação. Destaque: uso da internet entre negócios e consumidor (30º no ranking) Deficiência: número de dias para começar um negócio (146º lugar no ranking) e tarifas mobile (140º lugar no ranking)
Fonte: Exame.com


Comentários da notícia