Quantas mulheres negras você conhece no ecossistema de tecnologia?

Vou começar falando em primeira pessoa: cresci sem referências profissionais negras. Não estou sozinha nessa história. Segundo o Instituto Locomotiva, 94% da população negra brasileira não se sente representada nas mídias em geral. A subserviência das mulheres negras é historicamente o mais realístico retrato, que reafirma as relações sociais e de poder dentro dos sistemas. O lugar de fala é a possibilidade de dominar um espaço e discutir assuntos, e ele é mínimo.

Tive acesso à educação de qualidade e a criticidade faz parte do meu desenvolvimento — li Sil Bahia e Nina Silva, cheguei mais perto de Djamila Ribeiro e aprendi com Monique Evelle: "Mulher negra precisa ter nome e sobrenome, se não o racismo a chama do que bem entender".

Ouvidos atentos repararam nos comentários: "elas não são como as outras." Nós juntas somos 27% da população do País, mas por que então contamos nos dedos as que alcançam lugar de fala e representação?

O racismo estrutural é história do presente, que segrega e limita desde a educação básica até o mercado de trabalho. Segundo o Instituto PretaLab, mulheres afrodescentes e de baixa renda são o perfil predominante das domésticas (57,6%).

Apenas 10,4% das mulheres negras do Brasil têm ensino superior completo. A sociedade criou e naturalizou os lugares da mulher negra, e a intelectualidade não é um deles. Djamila Ribeiro traz a necessidade de trabalhar de forma interligada todas as formas de opressão estruturadas: raça, classe e gênero. Qualificação profissional é essencial para dominar assuntos e debater. O empoderamento é um rompimento da herança do silenciamento. Estamos longe de encontrar igualdade nas oportunidades e em consequência, na representação. Precisamos afirmar a posição da mulher negra pensante na sociedade.

Sou engenheira por formação, trabalho na área de pessoas de uma empresa de tecnologia de grande porte e sigo observando o espanto ao se depararem com o meu contexto social quando me apresento. O espaço que tenho hoje é espelho para mulheres e meninas negras se enxergarem de forma positiva e bem sucedida num futuro próximo que deixa de ser utópico. Surge então o sentimento de pertencimento à esse ambiente.

O Brasil tem cerca de 195 mil empresas de tecnologia e nelas está retratada a ausência da mulher negra, com sua participação e produções praticamente invisibilizadas. Cargos e cadeiras antes negadas descaradamente são aos poucos ocupadas quando lutamos e nos encorajamos a assumir o lugar de fala como de direito.

Mas buscando os dados encontramos um ecossistema em que apenas 15,53% de estudantes ingressando em cursos relacionados à computação são mulheres (Inep/MEC 2013). Trazendo para o contexto de evasão do mercado, 41% das mulheres que trabalham com tecnologia acabam deixando a área, contra 17% dos homens. Quantas dessas mulheres são negras? Não existem dados sobre a presença da mulher negra no mercado de tecnologia no Brasil.

Voltando um passo e entendendo o aspecto educacional, fica nítida a relação. Em 120 anos, segundo a própria Escola Politécnica da USP, a instituição não formou nem 10 mulheres negras. Quando buscamos as pioneiras da ciência no Brasil, nenhuma das mulheres citadas no CNPQ é negra. Falta acesso, incentivo e representação.

Trazendo para o dia a dia, quantas mulheres negras você conhece do ecossistema de tecnologia que o nome vem a cabeça de imediato? Fazer questão de tomar consciência sobre os fatos, sobre o caminhar da história e seus impactos é essencial para atuar de forma inicial para mudanças positivas.

Te convido a essa reflexão, só nesse texto mulheres negras incríveis foram citadas. Você conhece o trabalho delas? Quantos livros ou artigos de autoras negras você já leu? Te incentivo a buscar um novo networking, buscar incluir e ter um olhar crítico diário.

É necessário democratizar o ecossistema da tecnologia.


Fonte: https://www.nsctotal.com.br/noticias/quantas-mulheres-negras-voce-conhece-no-ecossistema-de-tecnologia


Comentários da notícia