A nova era da gestão – parte 3 – Trabalho Colaborativo

06/05/2014 - Estamos no tempo do trabalho colaborativo, caracterizado pelo compartilhamento de ideias e informações entre os membros de um grupo com o intuito de alcançar resultados ligados a uma meta comum. Isso tornou-se possível quando os sistemas de comunicação e as bases de informações fizeram-se acessíveis a todos os profissionais, como acontece atualmente nas redes sociais. Em sistemas colaborativos, o compartilhamento de recursos é tão natural quanto a espontânea coordenação dos esforços de trabalho. Nesse modelo, os papéis individuais e os processos são apenas a referência para a organização das atividades. O objetivo é proporcionar o trabalho em conjunto de maneira fluída e eficaz, por meio de esforços intensos de comunicação, permitindo a negociação mais eficiente em direção a um propósito. Nesse modelo, a coordenação das atividades é negociada e compartilhada entre os membros e estes passam a comunicar, negociar e tomar decisões referentes às tarefas. Profissionais que realizam o trabalho colaborativo são desafiados a se desapegar de suas posições hierárquicas e focarem diretamente no propósito, buscando a motivação de todos os membros do grupo. Nesse sistema, a comunicação exige padrões flexíveis que promovam a inovação nos processos com a consequente ampliação dos resultados. Assim, na próxima vez que chegar uma mensagem com uma exigência de um projeto para a próxima segunda-feira, o profissional poderá perceber que não estará mais sozinho, pois poderá acionar qualquer colaborador de sua rede profissional, compartilhando os resultados. No trabalho colaborativo, o foco é totalmente nas conexões pessoais, isso permite a realização do trabalho em qualquer momento e em qualquer lugar, o que promove melhores condições de equilíbrio de vida ao profissional e o resultado é alcançado de forma genuína, pois é alcançado o verdadeiro engajamento dos profissionais, que sempre foram e serão movidos pelo compartilhamento de propósitos. Sidnei Oliveira
Fonte: EXAME.com


Comentários da notícia