Qual é o perfil do estudante do século 21?

Jovens estão cada vez mais optando por seguir profissões que se preocupam com questões socioambientais

Um ser humano ético, íntegro, capaz de pensar no mundo, com autonomia e capacidade de refletir sobre a vida de forma plena, entendendo que planejar é uma atitude que pode orientar o presente e transformar o futuro. Essa é a formação humana que a Rede Marista de Colégios (RMC) busca para seus alunos por meio de diversos projetos, desenvolvidos em 18 unidades espalhadas pelo País. Ao todo, são mais de 25 mil estudantes atendidos no Distrito Federal, Goiás, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

E essa formação humana se reflete também em processos seletivos, na hora de escolher a profissão a seguir. No Colégio Marista Asa Sul, em Brasília (DF), por exemplo, dos 104 estudantes do Ensino Médio aprovados em diversos cursos das mais variadas instituições de ensino, mais da metade optou por seguir profissões ligadas às questões socioambientais.

Segundo relatório do Fórum Econômico C o p a , até 2020, 35% das habilidades mais demandadas para a maioria das ocupações devem mudar. As profissões tradicionais já não são mais tão cobiçadas como antigamente. Os jovens não estão mais em busca do melhor salário ou posição de destaque no mercado de trabalho, bem na verdade, eles procuram bem-estar, fazer o que gostam e, em primeiro lugar, ter qualidade de vida.

“Esse novo profissional apresenta quatro características principais: tem pensamento multidisciplinar porque é multiconectado, tem consciência ambiental e social, busca experiência e não posses, e não almeja carreiras, mas uma vida com propósito”, analisa o coordenador do Ensino Médio do Colégio Marista Asa Sul, Mateus Kaiser.

Ele lembra ainda que os estudantes estão cada vez mais preocupados com questões globais. “Nossos alunos têm optado por profissões que não são consideradas tradicionais. Eles têm valorizado mais o bem-estar, a realização pessoal, a consciência ambiental, estão engajados em construir um mundo melhor e isso é bem interessante”, salienta Kaiser.

Um bom exemplo disso é a estudante Diana Nunes Bollini, aprovada em primeiro lugar em dois cursos da Universidade de Brasília (História e Artes Cênicas). A estudante relata que durante todo o Ensino Médio teve que conciliar trabalho, ensaios (ela atua como atriz) e estudos, além de arrumar tempo para dar atenção aos amigos. Aproveitava todos os momentos (no ônibus, no metrô, em salas de espera) para fazer exercícios preparatórios para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

DIANA NUNES BOLLINI

E toda essa preparação e estímulo Diana credita ao incentivo que recebeu na escola. “Quando eu estava estudando era muito comum as pessoas me perguntarem: ‘mas pra que você estuda tanto se você quer um curso de nota baixa?’ – ou ainda, afirmavam: ‘nem tem que estudar tanto, relaxa’. Mas os professores do Marista, a partir do momento que eu falei que era meu objetivo ir muito bem, me apoiaram a estudar muito e me ajudaram demais, sem menosprezar o meu estudo porque eu queria um ‘curso fácil’. E isso pra mim foi muito importante, porque eu conheço professores de outras escolas que diriam - ‘aaah, pode relaxar, é um curso de baixa concorrência’ - ou ainda - ‘estudando tanto assim você devia fazer Medicina/Direito’. Mas não é assim que o Marista faz e é por isso que a gente escolhe ser Marista”, relata.

TENDÊNCIAS

Relatório de uma das maiores empresas de tecnologia de informação do mundo, a Cognizant Technology Solutions, aposta na criação de pelo menos 20 novas profissões até 2030. A empresa se baseou em macrotendências atuais nas áreas do meio ambiente, migração, biotecnologia e demografia para elencar as possibilidades.

Mas por enquanto os estudantes ainda têm que escolher o que o mercado educacional oferece. Mas essa escolha deve ser aliada à realização pessoal, o que se encaixa com cada projeto de vida, o que torna o cidadão protagonista de sua própria existência. Foi com esse pensamento que o estudante Vinícius de Almeida Nery Ferreira, aprovado em dois cursos da Universidade de Brasília (Medicina e Ciências Econômicas), decidiu seguir a área econômica.

VINICIUS DE ALMEIDA NERY FERREIRA

“Gosto muito de estudar o comportamento humano, o porquê de as pessoas agirem como agem e o que fazer para tentar mudar isso. Então, fiquei em dúvida entre Psicologia, Medicina (Psiquiatria) e Economia. Amo entender como a nossa sociedade funciona, além de ter Matemática e História como minhas duas matérias favoritas. Descartei Medicina porque teria que estudar muita coisa que eu não gosto. Pela mesma razão, descartei Psicologia. Em Economia, pretendo seguir na área comportamental, que já premiou dois pesquisadores com o Nobel por terem aplicado conceitos da Psicologia na teoria econômica”, conta Vinícius.

E o futuro economista tem o apoio da família para desenvolver seus projetos. “Estamos muito felizes com a vitória do Vinícius e gratos ao Colégio Maristão por todo apoio dispensado ao nosso filho. É uma escola de qualidade com formação humana”, disse Gracyara de Almeida Nery Ferreira, mãe do Vinícius.

André Pereira e Ferreira é outro exemplo de aluno do Colégio Maristão que foi aprovado em quatro processos seletivos: Engenharia Elétrica da Universidade de São Paulo (USP), Medicina da UnB, Engenharia Física na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele conquistou 980 pontos na redação do Enem e escolheu cursar Engenharia Elétrica na USP.

“Eu estava bastante confiante, daí recebi o resultado da USP, que era o que realmente me interessava, e fiquei muito feliz. Coloquei meu nome para concorrer a outros cursos, depois de ter conseguido o que eu realmente queria. Estudei muito para isso, principalmente no segundo ano. O apoio da escola e da família foi fundamental”, diz André.

Para o futuro engenheiro, o mais importante na formação humana é a integralidade do ser e pensar sobre o papel de cada indivíduo no mundo. E essa formação prepara o ser humano para a vida. Assim, cada um pode construir o seu modo de vida livremente, tendo autonomia para organizar os modos de existência e sendo responsável pelas suas ações, tornando-se um ser humano ético, íntegro e capaz de transformar o mundo em um ambiente melhor para se viver.



Fonte: https://www.segs.com.br/educacao/160594-qual-e-o-perfil-do-estudante-do-seculo-21


Comentários da notícia