IPOs de Ser e Anima sinalizam mais aquisições

17/01/2014 - São Paulo - A Ser Educacional e a GAEC Anima Educação, as mais novas empresas de educação de capital aberto no Brasil, estão preparadas para fazer aquisições porque uma classe média crescente e empréstimos federais estimulam a demanda por cursos. Depois de arrecadar coletivamente cerca de R$ 1,01 bilhão (US$ 430 milhões) em IPOs, as empresas dizem que elas estão indo fazer compras e vão usar parte desse dinheiro ou todo ele. Ainda há oportunidades para aproveitar mesmo depois do recorde de US$ 4,51 bilhões em acordos do setor de educação no país em 2013. “Pretendemos usar tudo o que foi levantado nas IPOs em aquisições”, disse o presidente da Ser, Janyo Diniz, em entrevista por telefone em 6 de janeiro. “Temos uma carteira de aquisições em andamento há um tempo. Tivemos muitas conversas”. Ele não especificou em que empresas ele está interessado. A Ser e a Anima estão se beneficiando da convergência entre política federal e um mercado de educação maduro para a consolidação, com cerca de 2.000 empresas do ramo no Brasil. A presidente Dilma Rousseff facilitou as condições de reembolso dos empréstimos estudantis, com uma redução de taxas do pico de 9 por cento para 3,4 por cento, no intuito de aumentar o número de médicos, advogados e engenheiros. Liderança da Kroton A principal transação foi o acordo da Kroton Educacional SA para adquirir a Anhanguera Educacional Participações SA por R$ 5 bilhões, criando a maior empresa de educação com fins de lucro do mundo. A Kroton também liderou os ganhos do mercado acionário no índice Ibovespa nos últimos doze meses, com um retorno de 82 por cento. As ações da Ser aumentaram 27 por cento e as da Anima aumentaram 5 por cento desde suas aberturas. “A fusão entre a Kroton e a Anhanguera é um sinal de que outros grupos grandes avaliarão fusões”, disse Ryon Braga, diretor da Anima, em entrevista por telefone. “Esperamos realizar algumas aquisições relevantes no primeiro semestre de 2014”.
Fonte: Portal Exame - São Paulo/SP.


Comentários da notícia