O frustrante adiamento da CONAE 2014

29/03/2014 - Por Priscilla Maria Bonini Ribeiro No dia 24 de janeiro, o Fórum Nacional de Educação (FNE) divulgou uma nota informando o adiamento da 2ª Conferência Nacional de Educação – CONAE 2014, que seria realizada em fevereiro deste ano. A decisão foi do Ministério da Educação (MEC) e frustra todo o empenho de todos que se prepararam para debater os problemas educacionais do país, na busca de soluções, antes da aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE) que está tramitando no Congresso Nacional. Coluna Livre O artigo “O frustrante adiamento da CONAE 2014? foi produzido por Priscilla Maria Bonini Ribeiro, Secretária da Educação de Guarujá (SP) e presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo (Undime-SP). A importância da CONAE 2014 para o PNE está mais que evidenciada, pois o país inteiro se mobilizou para discutir o documento de referência proposto pelo MEC. Foram várias etapas preparatórias, onde a maioria dos municípios brasileiros reuniu professores, pais, alunos, comunidades científicas, entidades patronais e sindicais para realizar debates de nível local e regional. O conteúdo gerado nessas reuniões foi sistematizado e submetido à aprovação de representantes de todos os segmentos e setores educacionais de nosso país, durante a realização das conferências estaduais. Essa enorme e significativa mobilização gerou expectativa positiva de que, após a conclusão dos trabalhos, na etapa nacional, a educação brasileira voltasse a ter rumo, a partir de um processo democraticamente construído. Na CONAE de 2010, também tivemos expectativas frustradas, sugestões ignoradas e até o descumprimento às convenções e tratados internacionais que o Brasil assinou. A urgência da educação brasileira, mais uma vez, ficou de lado, e à sociedade que se mobilizou em seus municípios nas primeiras etapas da CONAE 2014, em conjunto com os Profissionais da Educação, restou ver as suas expectativas adiadas para novembro deste ano. Essa demora em decidir os novos rumos educacionais do nosso país para os próximos 10 anos poderá representar um atraso lastimável para toda a sociedade. Nossos alunos e professores merecem mais urgência. Um verdadeiro retrocesso a tudo o que tem sido contextualizado em prol da Educação de nosso país, considerando que todos nós sabemos ser a Educação a ferramenta que muda, de fato, o quadro de desigualdades de um país. É lamentável o adiamento da etapa conclusiva da Conae, pois entendemos que a Educação é a base de uma sociedade mais justa e mais profícua. A Educação tem em si a fonte da autoestima que move as pessoas a novos rumos, a novas vidas e a novos sonhos. Agora, é esperar que o PNE não tarde a ser aprovado e que seu teor seja cumprido em prol da melhoria da Qualidade da Educação Brasileira.
Fonte: Aprendiz - São Paulo/SP.


Comentários da notícia