Servidores em greve mantêm 30% do efetivo em alguns setores da UFMT

26/03/2014 - A greve dos servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que teve início na última sexta-feira (21), afetou totalmente alguns setores da instituição, mas outros continuam funcionando - porém, com o percentual de profissionais reduzido. Os serviços mantidos, com 30% dos trabalhadores, são zoológico, segurança, Protocolo, Tecnologia da Informação, hospital veterinário e biotério. Os profissionais que entraram em greve total são os que trabalham na biblioteca, prefeitura do campus, reitoria e auditoria da UFMT, ginásio de esportes e Coordenação de Administração Escolar (CAE). A decisão a respeito de quais setores seriam totalmente fechados e quais iriam funcionar de forma escalonada foi tomada na sexta-feira, durante reunião do comando de greve. A próxima reunião está marcada para quinta-feira (27). Os servidores pedem a implantação de turnos contínuos com jornada de 30 horas sem redução salarial; a revogação da lei que criou a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh); a construção e reestruturação de creches nas universidades sem municipalização; o aumento do piso salarial da categoria; voto paritário entre técnicos administrativos, docentes e estudantes para eleição dos reitores nas universidades; liberação do trabalhador para cursar mestrado e doutorado durante o estágio probatório; e reposicionamento de aposentados. A UFMT conta hoje com 2.700 técnicos administrativos. A administração da instituição informou que irá acompanhar a negociação entre os servidores e o governo federal e que espera o cumprimento dos serviços essenciais na universidade.
Fonte: Expresso MT - Cuiabá/MT


Comentários da notícia