As Tecnologias de Informação e Comunicação e a Universidade do Futuro

21/03/2014 - Palestra na Unb é um evento do Núcleo de Estudos do Futuro O Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) e o Núcleo de Estudos do Futuro (n-Futuros/CEAM) convidam para o segundo evento de 2014 que terá como tema: As Tecnologias de Informação e Comunicação e a Universidade do Futuro. O palestrante será o Professor Andrew Fennberg que ocupa a Cadeira de Pesquisa em Filosofia da Tecnologia da Escola de Comunicação da Simon Fraser University em Vancouver (Canadá). Ele é considerado um dos mais importantes Filósofos da Comunicação. O evento será realizado no dia 25 de março de 2014, terça-feira, às 10 hs no Auditório da Faculdade de Comunicação (sub-solo do ICC (Minhocão) / Ala Norte. Resumo da apresentação "A questão da tecnologia educacional deve ser enquadrada num contexto mais amplo porque não é primariamente uma questão técnica. Ela reflete a política de educação. Tem a ver com a relação entre gestão e profissionalismo que, por sua vez, diz respeito a questões de padrões de carreira, padronização, controle de qualidade e da própria definição de educação. As resoluções destas questões e da evolução da tecnologia educacional andam de mãos dadas. Embora muitos professores não vejam nenhuma maneira de conciliar valores acadêmicos tradicionais com as mudanças possibilitadas pela nova tecnologia, não podemos simplesmente ignorá-la como alguns estão dispostos a fazer. Desde o início de 1980, mais e mais da nossa vida social tem ocupado o ciberespaço. Muitas interações sociais que costumavam ser face a face são agora mediadas. Para a maior parte, a mediação é o texto escrito, que se tornou um instrumento muito mais flexível do que no passado. Então, agora estamos escrevendo nossas identidades e nossos relacionamentos. Esta mudança notável nos libertou de tempo e espaço, mas nos tornou dependentes de computadores, softwares e de empresas que possuem serviços online. A transferência de competências de artesãos para máquinas é um velho padrão que está na base da revolução industrial e continua até o desenvolvimento Taylorista e Fordista do século 20. O código técnico industrial visa centralizar o controle da força de trabalho e reduzir os custos do trabalho substituindo o trabalho não qualificado por máquinas e mão de obra qualificada. A ideia de reduzir os custos do trabalho na educação por meio da automação responde a este código técnico. O projeto de automação da educação na Internet segue uma longa linha de iniciativas que começam em 1950 com a Instrução Auxiliada por Computador, IAC. A IAC foi entregue pelo (ironicamente chamado) sistema de Platão e, mais tarde, por programas aplicativos que funcionam em computadores pessoais. Mas nunca poderia oferecer um substituto realmente convincente para instrução ao vivo face-a-face. No final da década de 1990, fomos levados a acreditar que os novos recursos multimídia da Internet podem proporcionar uma experiência mais realista. A Internet prometeu interação simulada e entrega de vídeo de palestras enlatados por professores "estrela", acrescentando um pouco de vida para os programas estéreis de IAC. O ideal de educação automatizada ainda é, sem dúvida, uma minoria, mas ganhou plausibilidade suficiente a partir de avanços na computação e da Internet para ocupar um espaço considerável no discurso público. Outras expressões comuns atuais, como "instrução individualizada no ritmo próprio" alimentam essa tendência. A ideia essencial é que em uma futura universidade virtual, as realizações deixarão de depender de horas de contato, ou de fato, o contato com professores. Será que o nosso mundo social foi colonizado pela tecnologia, ou vamos impor nossos imperativos de comunicação na ordem tecnocrática da computação? Será que o próprio sentido da educação será transformado para se adequar aos limites de sistemas automatizados, ou será que a tecnologia educacional será desenvolvida para servir algo como a educação como a conhecemos? Como veremos, estas questões escondem uma questão mais profunda sobre a relação da tecnologia para com a sociedade." Informações: www.unbfuturo.unb.br (Coordenaçãor do n-Futuros)
Fonte: Jornal da Ciência - São Paulo/SP


Comentários da notícia