Instituto Federal de Educação

19/03/2014 - Iniciadas as obras do Instituto Federal de Educação em Bauru - Tiveram início nesta segunda-feira, 17 de março, as obras de construção do Campus de Bauru do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. O início dos trabalhos foi marcado por uma visita ao canteiro de obras que reuniu o prefeito Rodrigo Agostinho, o representante da Reitoria da Instituição Educacional, professor Silmario Santos, e a vice-prefeita Estela Almagro, que coordena as ações de implantação do IFSP pela Prefeitura de Bauru. A visita também foi acompanhada pelos secretários municipais de Obras, Sidnei Rodrigues, da Agricultura, Francisco Maia, o presidente do DAE, Giasone Candia, a ex-secretária e vereadora, Majô Jandreice, os professores da Unesp José Misael Ferreira do Vale e Lourenço Magnoni e servidores da Prefeitura. A área está localizada no alto da Avenida Nações Norte, sentido da rotatória da Avenida Moussa Tobias à Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (Bauru-Marília). A vice-prefeita Estela Almagro destacou a qualidade do ensino oferecido pelo Instituto e anunciou que em breve será agendada audiência pública no sentido de mobilizar os municípios da região no intuito de envolver a população no acesso ao ensino público. “Ver este maquinário trabalhando é o começo de uma realidade” enfatizou Estela, que agradeceu a todas as pessoas envolvidas nessa conquista. O prefeito Rodrigo Agostinho também enalteceu a qualidade do ensino oferecido pelo Instituto. “É um grande investimento. São quase 10 milhões somente na obra, sem considerar equipamentos e funcionários. Uma luta que envolveu muita gente, uma luta da cidade que deu certo”, disse o prefeito que aproveitou para informar as obras de construção dos acessos entre o Instituto e a Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, que já estão sendo licitados pela Prefeitura. “Esta etapa é só o começo, que o Instituto tenha várias expansões porque há demanda não só de Bauru, mas também da região, para cursos de qualidade e gratuitos”, acrescentou. O professor Silmario Santos disse que um programa não nasce sozinho e que é necessária a atuação de muitas forças, principalmente as forças locais para sua viabilização. “A cidade está de parabéns! O Instituto pode oferecer cursos técnicos, de formação inicial, graduação, mestrado, pós-graduação, enfim, o Instituto terá o tamanho que a cidade precisar para atender a demanda que apresentar. Esta obra tem um cronograma de oito meses. Esperamos concluir neste prazo e fazer as audiências, definir os cursos e publicar os editais para as contratações necessárias e em março de 2015 iniciar as atividades. Que essa parceria seja muito promissora e perdure por muito tempo”. HISTÓRICO BAURU O campus foi pleiteado em 2009 pela vice-prefeita Estela Almagro e pela então Secretária Municipal de Educação Majô Jandreice. Além de Bauru mais sete cidades do Estado foram contempladas. A vice-prefeita Estela Almagro esteve em Brasília, reunida com o Secretário Executivo do Ministério da Educação, José Henrique Paim Fernandes, para detalhar o projeto do Instituto. A doação da área pelo Município é a contrapartida exigida pelo Ministério para a implantação do campus e foi definida a área de 60 mil m² localizada próximo à Avenida Nações Norte. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia foi fundado em 1909, como Escola de Aprendizes Artífices e desde então é reconhecido como excelência no ensino público gratuito de qualidade. Hoje, com a denominação de Instituto passou a ter relevância de universidade destacando-se pela autonomia no ensino. O Instituto destina 50% das vagas para curso de tecnologia e no mínimo 20% para licenciatura, sobretudo na área da ciência e matemática e complementarmente oferece cursos de formação inicial, continuada, engenharia e pós-graduação. Atualmente, no Estado de São Paulo possui cerca de 15 mil alunos em 25 campi. A natureza dos cursos a serem oferecidos é indicada pelo município que deve avaliar quais as áreas de necessidade para Bauru e região, tomando como base o PIB e o que gera esse PIB e a tendência de negócios, local e no entorno, num raio de aproximadamente 100 km. Como cursos fortes oferecidos pelo Instituto no país estão as áreas de indústria, mecânica, eletrotécnica, processamento de dados, construção civil, turismo, automação e agroindústria, entre outros. Com a área e cursos definidos, parte-se para a etapa do projeto, a contratação do quadro de professores e administrativo, que se dará por concurso público, e as aquisições e construção, por meio de processos licitatórios. A expectativa é que o Instituto entre em operação neste ano. A INSTITUIÇÃO A instituição, que há 13 anos era uma escola técnica, passou por vários estágios e foi transformada em instituto em 2008. Hoje, o Instituto tem status de universidade com eixo de qualificação profissional, oferecendo do nível técnico, passando pela graduação e chegando à pós-graduação. Para a implantação de um campus é necessário um quadro de funcionários de 60 professores e 45 servidores administrativos para oferecer em média quatro a cinco cursos. No entanto, o processo se dá por etapas necessitando de 2 a 3 anos para sua complementação total, o que significa também atender cerca de 1.200 alunos em plena atividade. Com relação à área, o Governo Federal exige para a implantação do Instituto, no mínimo 50 mil m² se os cursos forem de vocação urbana e de 100 a 150 alqueires se forem de vocação rural. Se a opção for de vocação urbana, a área tem de estar bem localizada, ser de fácil acesso e dispor de infraestrutura como acesso, redes de água, energia, telefonia e esgoto.
Fonte: Vivendo Bauru - Bauru/SP


Comentários da notícia